terça-feira, 17 de junho de 2014

Selecção Nacional- Um jogo para recordar

Hoje, que estou mais calma, sinto-me com maior capacidade para fazer uma análise fria dos factos relativos à prestação no jogo de ontem da Selecção Nacional.
Primeiro, foi um jogo terrível. A todos os níveis. Desinspiração, árbitro algo tendencioso, faltas graves e infantis.
Começo já por falar no árbitro: é verdade que o senhor lá da Sérvia, de cada vez que caía um alemão, levava o apito à boca, não tendo tido o mesmo critério para a nossa selecção. Inclusivamente não marcou uma grande penalidade clara a nosso favor. Mas não é menos verdade que nos lances decisivos do jogo- falo do penalti e da expulsão, o árbitro tomou decisões correctas. Discutíveis, sim. Mas correctas, a meu ver. Portanto desculpar os nossos erros com o árbitro, acho que não cola.
Ridículo foi o árbitro da final da liga Europa que não marcou 3 penaltis a favor do Benfica. Mas adiante.
O Pepe. O que posso eu dizer sobre o Pepe... Bem, vamos ver. Posso dizer aquilo que penso há anos. Que o Pepe não é jogador para a Selecção Nacional. O seu comportamento anti desportivo não é de hoje. O que Pepe fez ontem, já não é novo. Tem vindo a fazê-lo na Selecção, no Real Madrid, etc. Paulo Bento não convocou Quaresma por razões disciplinares (especula-se), mas tem lá arruaceiros do mesmo gabarito, e que jogam menos. Pepe, para mim, não jogava mais na Selecção. Estes comportamentos são, a meu ver, inadmissíveis.
Bruno Alves esteve mal, Rui Patrício, Nani, João Pereira... Enfim. Difícil é dizer quem esteve bem. Toda a equipa se apresentou em níveis de concentração muito baixos. Péssima atitude.
Erros infantis (lance Bruno Alves e Rui Patrício), desconcentração.
Não percebo também o motivo de Nani ser titular na selecção, quando claramente não tem ritmo de jogo, não tem rotinas (lembro-me de um lance em que Coentrão estava em óptima posição e Nani foi atrapalhar). Não concebo como é que um jogador que não joga no seu clube, é "titular indiscutível" na selecção.
Quero ainda falar sobre um aspecto que considero importante: enquanto que a selecção Germânica já estava no Brasil há mais de uma semana, a selecção Portuguesa andava a fazer um tour pelos EUA. Para quê? Para inglês ver, só pode. Para patrocínios. Dinheiro. Porque se realmente os responsáveis desta selecção tivessem interesse em fazer boa figura, em vez de se preocuparem com os patrocínios, teriam tido outro tipo de preocupações com a preparação dos jogadores.
Portugal esteve muito muito mal. Não me lembro de ver a selecção jogar assim, a não ser no Coreia 2002. Falam-me também em Saltillo, mas esse campeonato não é do meu tempo.
O que eu vi ontem, foi uma equipa desconectada, desconcentrada e pouco lutadora. Bem precisam de uma lavagem cerebral, porque a jogar assim, não vamos a lado nenhum.
São estas as ilações a retirar deste jogo. Este jogo não é para esquecer, mas sim para recordar. Uma óptima lembrança do que nunca mais fazer.

P.S.- Por favor, parem de criticar o Ronaldo. Ele não é o salvador da pátria, é apenas mais um jogador, o mais talentoso, sim, mas não faz milagres. Se a bola não lhe chegar em condições, Ronaldo não consegue ir à baliza, à defesa, ao meio campo, e depois ainda ser avançado. Precisávamos de pelo menos mais 3 ou 4 como ele, com a sua raça, talento e dedicação.

5 comentários:

hierra disse...

Assino em baixo!

hierra disse...

Acho a análise perfeita! Há todo um folclore instalado em volta da selecção que depois não se traduz no campo. As escolhas de Paulo Bento afiguram-se-me cada vez mais duvidosas!

hierra disse...

Acho a análise perfeita! Há todo um folclore instalado em volta da selecção que depois não se traduz no campo. As escolhas de Paulo Bento afiguram-se-me cada vez mais duvidosas!

ML disse...

Nem mais... custou tanto ver o jogo.

ML disse...

Nem mais... custou tanto ver o jogo.